sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Por que a Guerra das edições nunca vai acabar e o blogueiro cara de pau

O blogueiro cara de pau sou eu. Aproveito comentários que faço em blogs de colegas para alimentar o meu. Pelo menos eu sou limpo e dou os links.

No Paragons, o Daniel Ramos publicou uma mensagem de Vic Wertz sobre o fim da guerra das edições. Um bom papo de marketing, estilo vamos todos dar as mãos, abraçar uma árvore ou regravar We Are the World versão RPG.

Eis o meu comentário:

A guerra das edições tem um papel importante no mercado: gerar paixão. O cara gosta do D&D4e por qualquer razão que nem ele mesmo sabe. Vem alguém e fala que D&D4e come criancinhas. O cara começa a argumentar e a paixão dele pela marca vai crescendo. A mesma coisa do outro lado. As pessoas começam a estudar seus RPGs favoritos e os seus desafetos atrás de referências, falhas, discursos e justificativas. No fim temos um balde de fãs assíduos que vão comprar tudo que tiver pela frente atrás de sua paixão e argumentos. No meio disso, possíveis consumidores são atingidos por propaganda gratuita e embasada de ambos os lados e decidem seu lado na briga pela compra do produto. Afinal, se deixaram algum tostão ali, vão ter que aprender a justificar a compra e não serem taxados de otário.

Produtos que despertam esse sentimento entre os seus consumidores vão mais longe. Se uma marca de RPG tivesse, queria eu que ela entrasse na guerra das edições e estivesse sempre nas cabeças, nos Fóruns, na Internet e em tudo quanto é lugar.

O pior consumidor para as editoras é aquele que não se envolve. Tem gente que não migrou nem para a 3e. O caboclo tinha uma coleção incrível de tudo quanto é coisa de AD&D e nem se coçou. Se encontra um suplemento que lhe interessa no ebay, compra. O investimento dele em RPG cessa e isso é BOM para ele. Ele já tem o que quer em casa, já gastou o que tinha que gastar, conhece o AD&D na palma da mão dele. Os jogadores estão para lá de acostumados e a vida segue.

Pensem bem, um sujeito que comprou muralhas de livros da 3.5 tem tudo que precisa em casa para jogar o resto da vida. Ele pode perfeitamente não ser mais um consumidor de RPG, mas continuar como jogador. Esse cara é o HORROR da Paizo e da Wizards. A Paizo quer que ele ache que ele PRECISA comprar coisas novas para o seu RPG preferido. A Wizards quer que ele ache que PRECISA se atualizar para a nova versão.

O cara só quer rolar o dadinho dele em paz e curtir o investimento que ele já fez. Vejam que calhorda!

Adendo de última hora:
Não existe:


  • Apple sem Microsoft

  • Marvel sem DC

  • Linux sem Windows

  • He-Man sem esqueleto

  • Piu piu sem Frajola

  • Sou eu assim sem você

8 comentários:

Gilson disse...

"regravar We Are the World versão RPG"

Ri bastante com a postagem e ela é muito acertiva ao mesmo tempo.

Gilson

Valberto disse...

Estava mesmo pensando em esvcrever algo nesta linha. meus parabens.

Luminus disse...

Concordo, do início ao fim... quer picaretagem maior que jogar AD&D hoje em dia?! Vai totalmente contra o pensamento capitalista do séc. XXI...

Bom saber que eu não sou o único que pensa dessa forma :P

E.

A Rpgista disse...

Jogar AD&D/D&D da wizards perdeu muita a cor. Apesar de regras sendo revistas e melhoradas, muita coisa é revendida, reciclada e as vezes, pioradas.

Bela postagem , amigo :)

contosderpg disse...

Isso acontece muito com relação a Gurps. Se vc tem o básico e um pouco de criatividade e cultura geral vc joga rpg pra sempre e do jeito q vc quiser. (eu mal atualizei pra quarta edição). De suplemento, recomendo o Supers e o Cyberpunk.

É igual Battletech. Vc pega as regras de criação de robôs e tem um wargame sem precisar comprar nada (só imprime os tokens de robôs e uns mapas, se quiser) pra sempre. Ao contrário de Mechwarrior, onde vc só pode jogar com os robôs q vc comprou.

Agora comparemos com D&D, q vc tem q ficar esperando eles lançarem o Players Guide 999 pra poder jogar com a classe oficial q vc quer.
Puro capitalismo. Não condeno, compra quem quer.

A+ System disse...

Olá

Estou fazendo o trabalho de tradução de um sistema simples, mas muito divertido.

Gostaria de colocar na lista lúdica o blog para ser atualizado.

Obrigado
www.aplusfantasy.blogspot.com

KALAHAD RPG disse...

haahuahuahuauaha.... muito interessante... seu comentário é verdade, nu e cru...

eu mesmo sou um dos horrores das editoras, estacionei no ad&d e nao fui nem pra terceira edição... pra quê né!?

Leandro Pugliesi disse...

Pois eu jogo o Pathfinder E o D&D 4E sem nenhum grilo.

Os Livros de D&D eu comprei, os da Paizo eu compro PDF mesmo.

E ainda tenho meus antigos de AD&D, que sempre rendem uma boa leitura nostálgica.

O Negocio é jogar RPG, nunca me importei com o sistema, pois boas historias e um bom mestre mal precisa de regras.

Ótima máteria!